Viagem para a China!

Chisil
May
27

Viagem para a China!

Oi pessoal, tudo bem? Já faz um bom tempo que não postamos nada por aqui, né?

Quem nos acompanha no twitter e no instagram já deve ter ficado sabendo que mês passado fomos para a China. Mais precisamente para Hong Kong e Shenzhen.

Foi uma viagem incrível e extremamente diferente de tudo que já tínhamos feito, por isso resolvi fazer esse post aqui para falar um pouco mais sobre essa experiência.

Chegando em Hong Kong

Chegando em Hong Kong

O post vai ser bem grande, se preparem.

Nossa viagem não foi puramente a turismo, o motivo principal foi um treinamento que a empresa do Eddy, a Huawei,  o convidou a fazer.

Logo

Começando pelo começo:

Somente 2 semanas antes da viagem que tudo foi confirmado pelo lado da empresa. 2 semanas! Imagina o desespero.

Assim, tive que correr contra o tempo para providenciar meu visto, que, aliás, é bem simples, você só precisa levar passagens e reserva de hotel e se tudo estiver certo eles já te dão um papel para fazer o pagamento, podendo buscar seu passaporte já com o visto após 3 dias.

A nossa aventura começou no aeroporto de Guarulhos.

De lá, faríamos uma escala em Chicago, com destino à Hong Kong.

Tudo isso soma mais de 36h de avião e aeroporto.

Sem contar que precisaríamos pegar uma balsa, onde ficaríamos mais 1h naquele balançar enjoativo das ondas até She Kou Port em Shenzhen, onde realmente iríamos ficar hospedados.

Aeroporto de Chicago

Aeroporto de Chicago

Chegando em Shenzhen tivemos que passar pela imigração para entrar na China (Se você só vai para Hong Kong não precisa de visto para visitas de até 6 meses).

Após a entrada na China fomos buscar um táxi, pois ainda estávamos a quase 1h de carro do nosso hotel. Entramos no táxi e já tivemos problemas, o motorista não falava uma palavra em inglês, sorte que o Eddy prevendo isso levou um papel com instruções em chinês.

Uma hora de táxi depois chegamos no hotel, agora fica tudo fácil, né? Não.

A recepcionista só falava meia dúzia de palavras em inglês e foi um real desafio explicar pra ela que já tínhamos as reservas e que só queríamos chegar no quarto e descansar.

Depois de todo esse sufoco, finalmente fomos para o quarto, mas a fome tava grande e o enjôo já estava passando, então resolvemos procurar algo para comer.

Saímos do hotel e achamos um mercadinho, pegamos alguns miojos e bolachas, e fomos pagar.

Aí complicou muito! Quase nenhum lugar aceita cartões da Mastercard e da Visa por lá.

Balsa que sai do aeroporto de Hong Kong e vai para Macau e os portos de Shenzhen.

Balsa que sai do aeroporto de Hong Kong e vai para Macau e os portos de Shenzhen.

Depois de muitas vezes tentar encostar o cartão em cima da máquina (como se fosse NFC), convencemos o vendedor a tentar inserí-lo, só para se deparar com uma mensagem de erro em chinês, que o Google Translate traduziu como: “Não consegue se comunicar”

Não teve jeito, pagamos em dinheiro mesmo.

Voltando pro hotel, comemos o miojo e até agora não deciframos qual era o seu sabor.

Resultado: fomos dormir com fome.

Começamos o segundo dia tomando o café da manhã do hotel, após isso o Eddy foi para a Huawei para começar o treinamento.

Sai andando com ele para conhecer o local, e gente, que lugar lindo! Ao contrário do que imaginei, tudo era muito limpo. A única coisa estranha era um cheiro ruim que pairava no ar.

Uma das coisas mais legais eram os jardins das calçadas, sempre sendo cuidados por velhinhos, muito fofo.

Ah, as ruas lá são todas planas também.

A Huawei lá é GIGANTE

A Huawei lá é GIGANTE

 

Perto do horário do almoço, o  Eddy me manda uma foto de um prato de arroz com algo parecido com uma carne de panela, não vou negar dizendo que parecia ser bem gostoso, mas aparências enganam.

A carne, que o cozinheiro disse ser porco, era doce!

O menino passou fome o dia todo e eu não estava muito melhor, já que almocei bolacha.

De noite resolvemos jantar no restaurante do hotel, pois ele se dizia voltado a culinária ocidental. Ledo engano.

Pedimos uma porção de batatas e um macarrão bolonhesa, e adivinha? Ambos eram doces!

Fomos dormir com uma fome absurda.

Macarrão com Ketchup e carne adocicada =S

Macarrão com Ketchup e carne adocicada =S

O terceiro dia começou também com o café da manhã do hotel.

Nesse dia nossa sorte deu uma mudada, o Eddy descobriu que existia um McDonald’s perto do nosso hotel (Uns 2km de distância). Fomos jantar nesse Mc, que curiosamente tinha o mesmo sabor do que o do Brasil, e mantivemos esta dieta por uns 4 dias.

Uma curiosidade, o Mc lá é extremamente barato, dois combos com batata e refri saíam 33 yuans, cerca de 15 reais.

Outra curiosidade, o Mc tem um máquina de autoatendimento com opção em inglês, então não precisávamos falar com ninguém para pedir, e o pedido era levado para nós na mesa.

Terceira curiosidade, mesmo o Mc não aceitava cartões da Visa e da Master, pagamos com Wechat.

Wechat é um app  chinês que funciona como um Whatsapp/Facebook/Twitter/Banco, o dinheiro é descontado do seu saldo no app, como brasileiros não conseguem colocar mais dinheiro nele, o chefe do Eddy nos mandou um pouco para não morrermos de fome lá.

Esse app é aceito em todos  lugares lá. TODOS OS LUGARES.

Máquina de autoatendimento do McDonald's

Máquina de autoatendimento do McDonald’s

 

Após alguns dias já estávamos loucos de tanto comer Mc.Mas aí o Eddy descobriu uma Pizza Hut, e pra nossa sorte, lá nossos cartões eram aceitos.

A Pizza Hut lá tem uma pegada mais parecida com o Outback, e o cardápio tem muito mais do que pizza.Sério, um cardápio de 30 páginas só tinha umas 2 de pizzas.

Nessa primeira vez pedimos um prato com carne e uma sopa,a carne era meio estranha, achamos que era na verdade um hambúrguer em forma de bife então não foi a melhor experiência. A minha sopa pelo menos era boa.

Depois disso ficamos revezando entre Pizza Hut e McDonald’s.

"Carne" da Pizza Hut

“Carne” da Pizza Hut

 

Um ponto interessante é que em todos os restaurantes te servem um copo de água grátis logo que você senta, o porém é que essa água é sempre quente. Sim, quente, fervendo.

Os chineses acreditam que água gelada faz mal para a saúde, então eles sempre tomam ela em temperatura de chá, pode até ser melhor para saúde, mas é estranho para nós. Sobre isso não há dúvidas.

Bebidas também eram bem carass, com preço próximo ao do prato principal. Mas isso só em restaurante, pois em mercados era super barato.

Olha o copinho de água ali

Olha o copinho de água ali

 

Depois de alguns dias tomando o café da manhã do hotel, nós desistimos do mesmo, era muito estranho e acabava saindo meio caro, já que praticamente só tomávamos um suco/café e comíamos uma fatia de pão.

Partimos pro mercado para comprar uns sucos e bolachas para comer no quarto do hotel, achamos uns biscoitos chips ahoy e uns bolinhos de morango o que acabou sendo melhor que o café do hotel.

No mercado compramos um suco de laranja de 1,5l que era bem bom e custou menos de 3 reais.

Falando em café da manhã, o café que a maioria dos chineses toma é aquele Nescafé solúvel, cheguei a comprar um pacotinho dele para tomar no hotel (Tinha uma chaleira elétrica no quarto), mas era impossível de beber,  por incrível que pareça, o cheiro do café é muito ruim! Não sei como eles conseguiram estragar o melhor cheiro do mundo.

Troquei o café por chá inglês em pouco tempo.

Na abstinência do café, tentei ir em um Starbucks tomar um, já que  cheiro lá era bom, mas desisti assim que vi o preço, o mais barato ainda custava mais  de 20 reais. Ainda bem que o Mccafé era barato e bom.

Biscoito!

Biscoito!

 

No nosso primeiro final de semana nós fomos até Hong Kong para conhecer a Disneyland de lá, fizemos todo o trajeto de metrô, pois a Disney de lá tem uma linha de metrô que te deixa praticamente dentro do parque.

Para isso fomos até a estação Wuhe e compramos dois tokens para irmos até a estação futian checkpoint, lá toda a compra de tickets para metrô é feita em uma máquina de autoatendimento que tem todas as instruções em inglês.

Para atravessar a cidade pagamos uns 5 reais no total.

O metrô em Shenzhen e em Hong Kong não tem um preço fixo igual em São Paulo, lá o valor varia de acordo com a distância.

Após atravessar toda a cidade de Shenzhen, chegamos na fronteira entre as cidades, lá tivemos que passar pela imigração para entrar em Hong Kong e depois pegar o metrô até a estação da Disneyland.

O metrô de Hong Kong é absurdamente caro, para irmos de onde estávamos até a estação da Disneyland gastamos mais de 50 reais por pessoa, e isso foi só a ida. Na volta pagamos mais 100 reais.

*-*

*-*

 

Compramos os ingressos para o parque na bilheteria do mesmo, por 500 dólares de Hong Kong cada (uns 200 reais), bem mais barato que os da Disney nos Estados Unidos.

O parque tem um monte de atrações exclusivas, então valeu a pena cada centavo que gastamos para ir até lá.

Dentro do parque tivemos o mesmo problema das lojas na China, nenhum lugar aceitava nossos cartões.

Por sorte achamos um caixa para sacar uma grana.

Mapa do metrô de Hong Kong (ali no canto esquerdo dá pra ver as estações do aeroporto e da Disney)

Mapa do metrô de Hong Kong (ali no canto esquerdo dá pra ver as estações do aeroporto e da Disney)

A viagem à Disney foi no sábado, já no domingo, fomos a um shopping em Shenzhen que ficava dentro de uma estação de metrô chamada Window of the World.

Já nos tinham dado a dica de que lá seria mais provável que aceitassem nossos cartões.

O shopping era muito bonito e vale a visita, mas o maior motivo de termos ida lá foi a vontade do Eddy de comprar um celular da Huawei, já que não conseguimos comprar em outra loja pois nenhuma aceitava o cartão como forma de pagamento.

Na loja da Huawei no shopping o cartão foi aceito sem nenhum problema, e em menos de 5 minutos já estávamos com ele em mãos. (Ele comprou esse aqui)

Dentro do shopping também tem um mercado de importados, que também vale a visita.

Loja da Huawei lindosa

Loja da Huawei lindosa

 

A estação se chama Window of the World por causa de um um parque de mesmo nome que fica em frente a ela.

Esse parque mostra várias atrações do mundo em escala, de fora vimos uma torre Eiffel que parecia ser bem bonita. Quem sabe em uma próxima visita vamos até o parque.

Pista de patinação dentro do shopping

Pista de patinação dentro do shopping

 

Após esse final de semana o Eddy ainda tinha mais dois dias de curso, esses dias foram bem parecidos com o que eu falei acima, comíamos no quarto no café da manhã, ele ia para a Huawei e depois nos encontrávamos para jantar na Pizza Hut ou Mc.

Perto da Pizza Hut existe um restaurante chamado The Kitchen, que serve comida ocidental, tentamos ir lá por causa de alguns comentários que lemos no Foursquare, mas após olhar o cardápio desistimos, um prato de carne custava mais de 100 reais. Fomos mais uma vez para a Pizza Hut.

Aprendi a amar essa sopinha da Pizza Hut

Aprendi a amar essa sopinha da Pizza Hut

No nosso último dia saímos do hotel de tarde para irmos para o porto de Shenzhen, lá a ideia era pegar a balsa até o aeroporto e passar a noite no mesmo, já que nosso voo saía no sábado de manhã.

Esqueci de comentar como a balsa funciona lá, balsa e aeroporto são interligados, quando você chega só precisa comprar o bilhete da balsa e apresentar o seu bilhete do voo na compra, assim você não precisa nem pegar suas malas, a própria equipe da balsa já se encarrega de encaminhá-las para a embarcação e só é necessário pegar as malas no porto chegando em Shenzhen.

Voltando a história, chegamos no porto e fomos comprar o bilhete, o negócio começou a dar errado quando descobrimos que o bilhete, que só pode ser comprado com dinheiro, custava 260 yuans, e nós tínhamos 240, pois achávamos que seria 120 yuans cada passagem.

Trocamos alguns dólares e voltamos ao caixa com os 520 para comprar as passagens, quando falamos o número do nosso voo para o atendente, ele nos informa que não poderíamos comprar os bilhetes para a sexta, e que só estaria disponível nossa ida para o aeroporto no sábado ás 6 da manhã. Ficamos imediatamente  desesperados.

Sem saber muito o que fazer, fomos até o balcão da United Airlines ver se não era mesmo possível ir naquele dia para o aeroporto, fomos atendidos por um chinês super mal-educado que nos disse que não poderíamos ir pois nosso voo ainda não tinha um portão definido, portanto não poderíamos ir para um portão aleatório passar a noite.

A China pode ser muito mais bonita do que você imagina

A China pode ser muito mais bonita do que você imagina

Voltamos no balcão de vendas e pedimos instruções de como ir para Hong Kong, só então o atendente nos informou que poderíamos ir para um tipo de rodoviária que faz fronteira e de lá pegar um ônibus até o aeroporto. Agora ficou fácil, né? Pior que não!

Fomos de táxi até a rodoviária e passamos pela imigração. Chegando no lado de Hong Kong fomos tentar pegar o ônibus para o aeroporto, foi então que descobrimos que tínhamos que ter comprado a passagem no lado de Shenzhen e que agora nossa única opção seria ir de táxi até o aeroporto.

Os atendentes da “rodoviária” pediram que procurássemos um taxista que aceitasse yuans como forma de pagamento (a moeda oficial de Hong Kong é o dólar de Hong Kong, mas taxista é taxista em todo lugar do mundo), achamos um que aceitava na conversão 1:1 (o Yuan vale uns 10% a mais, então o cara sairia ganhando) e ele nos levou até o aeroporto, pagamos cerca de 150 reais nesse táxi.

Chegando no aeroporto fomos até a United para despachar nossas malas, mas no balcão fomos informados que só na manhã do sábado poderíamos despachá-las, o sofrimento parecia não ter fim.

Saímos derrotados do balcão da United e fomos comer algo, depois de comer um lanche no Mc decidimos procurar algum lugar para sentar e passar a noite. Devo dizer que eu tentei dormir um pouco sentada, mas o Eddy passou a noite toda acordado olhando nossas malas, provavelmente a pior noite de nossas vidas.

Na manhã seguinte tomamos um café no McDonald’s e fomos despachar nossas malas, nessa altura já era possível fazer o check-in e ir para o portão de embarque, resolvemos entrar e dar uma passeada na loja da Disney do aeroporto, acabamos ficando tempo demais na loja e chegamos em cima da hora para o embarque, mas no final deu tudo certo e pegamos o voo a tempo.

 

 

Muitas tecnologias nesse aeroporto

Muitas tecnologias nesse aeroporto

 

Fizemos novamente uma conexão em Chicago e tínhamos planejado sair do aeroporto e ir ao centro da cidade comer uma pizza, mas mais uma vez a  sorte estava contra nós. Chegando em Chicago vimos uma chuva torrencial, sem contar o frio de congelar, estava 1ºC!

Ficamos  às 8 horas da conexão no aeroporto mesmo.

O aeroporto de Chicago é realmente lindo

O aeroporto de Chicago é realmente lindo

 

Depois de muito frio nós enfim embarcamos para Guarulhos, nosso destino final e cidade onde nossas famílias moram.

Nossa família preparou um combo de churrasco + feijoada para nos receber e para matarmos nossa fome de 2 semanas. Acho que nunca comi com tanto gosto.

Depois do churrascoada, voltamos pro nosso pequeno e amado apê.

Parque da Aclimação, aqui pertinho de casa, SP é linda <3

Parque da Aclimação, aqui pertinho de casa, SP é linda <3

 

Considerações finais

Ir para a China foi uma experiência incrível, algo que eu nunca imaginava fazer, foi difícil não posso negar, mas me fez pensar em como nosso mundo é doido.

Sou muito grata ao Eddy e a Huawei pela oportunidade de viver algo tão louco, espero que você aí que tá lendo também tenha a oportunidade de fazer algo assim alguma vez na vida, e se já fez, comenta aqui ou nas nossas redes sociais se foi parecida a sua experiência também.

Logo vou fazer um texto falando um pouco mais sobre o quanto essa experiência alterou nossos planos pro futuro, principalmente a respeito da nossa mudança para o Canadá.

Foto de quando passamos por cima do Canadá, lindo demais!

Foto de quando passamos por cima do Canadá, lindo demais!

 

Dicas:

  • Baixe o google tradutor e nele português, inglês e chinês.
  • Leve bastante dinheiro em espécie.
  • Confie em redes grandes de restaurantes (MC, BK, Pizza Hut, etc), elas podem ser suas melhores amigas lá.
  • Baixe o Google Maps e o mapa das cidades pelas quais você irá passar.
  • Não fique nervoso com os chineses, eles são meio sem educação mesmo, fazer o que. Exemplo: Um taxista nos expulsou do táxi porque nossa corrida era muito curta.
  • Vá com a mente bem aberta, você pode ver muita coisa estranha para nós por lá. Exemplo: Vimos uma mãe segurando uma criança por cima de um lixo no shopping, a criança estava fazendo cocô no lixo.
  • Se possível compre um chip pro seu celular, é difícil pois hoje em dia você  precisa ter um documento chinês para poder comprar, mas se conseguir achar algum chinês pra te ajudar nisso, vale muito a pena.
  • Não se incomode com o tanto que as pessoa vão olhar para você, não é muito comum eles verem ocidentais por lá, então eles encaram mesmo, até foto com umas chinesas eu tirei, sem contar as inúmeras fotos que tiraram de nós dentro do metrô, somos estranhos para eles.
  • Respeite a cultura deles, sério, isso é mínimo, né? Todo mundo gosta de ser respeitado!

Até mais!

 

 

 

 

 

Compartilhe essa quest!

About Gih Q'uest

Uma apaixonada por games e cultura nerd, cuido dos posts de humor e os sensuais, tenho um tumblr, pra acessar é só clicar na imagem sexy lá na parte de cima do blog, mas tenha cuidado, o tumblr tem conteúdo para maiores de idade!

Quest 1: Curtir!

Quest 2: Descobrir!

ipv6 ready