Defense of the Ancients ou League of Legends?

Defense-of-the-Ancients-Logo
Oct
31

Defense of the Ancients ou League of Legends?

X

Vou tentar fazer uma análise extensiva de diversos aspectos de ambos esses jogos que dominaram o cenário do E-Sports, tive a inspiração recentemente no Twitter, onde falhei em defender os meus pontos ao falar sobre League of Legends.

Tentarei me ater a fatos imparciais, onde possam haver comparações técnicas e embasadas em ambos os jogos.

Estou aberto a qualquer tipo sugestão, dica ou crítica contanto que seja construtiva, guarde insultos para alguém que seja obrigado a ouví-los, como seus pais ou seu cachorro.

A História…

Defense of the Ancients:

Começou como um mod do jogo Wacraft III (em conjunto com seu pacote de expansão The Frozen Throne) e assim permaneceu por muito tempo, sendo administrado por Steve ‘Guinsoo’ Feak e Steve ‘Pendragon’ Mescon (que administrava o site DotA-Allstars.com).

Um terceiro membro foi adicionado ao grupo de responsáveis pelo mod e chamava-se apenas IceFrog, este tido como um herói para a comunidade, pois trouxe uma série de consertos ao gameplay do jogo, com a intenção de balanceá-lo.

League of Legends:

Muitos rumores giram em torno das brigas que separaram o trio responsável por DotA, mas o mais aceito pela comunidade é o de que IceFrog desejava por algo grande, algo maior do que um simples mod de um jogo, então marcava reuniões escondidas com uma série de empresas, incluindo a Riot Games, para tentar vender a idéia de um jogo de DotA Stand-Alone.

Quando Guinsoo e Pendragon descobriram, houve uma discussão, em que ambos foram direto para a melhor “oferta” que IceFrog tinha conseguido (na Riot Games) e deram um jeito de ficar com todo o crédito por trás do gameplay de DotA, criando assim League of Legends

DOTA 2:

Após ter sido “abandonado” por seus amigos, IceFrog passou a se dedicar a comunidade de DotA, foi aí que a Valve viu uma oportunidade de ouro, oportunidade aquela, que a Blizzard (produtora de Warcraft) havia ignorado por anos, fazer uma sequência direta do Mod mais popular de Warcraft III e torná-lo um jogo Stand-Alone.

Surgiu assim DOTA 2, para o deleite dos ‘doteiros’, um jogo com engine própria, com servidores dedicados e mecânicas pra manter o jogo totalmente esportivo.

O jogo em si…

Defense of the Ancients:

DotA foi um jogo extremamente popular por ser um dos primeiros a levar a sério a idéia de que cada um em um time tem somente uma role (papel) a desenvolver, ou seja, o tank defende, o carry ataca, o healer cura e por aí vai…

Apesar da jogabilidade extremamente viciante, apresentava uma série de limitações, essas impostas pela engine do seu jogo “pai”, o Warcraft III

DOTA 2:

De longe, o jogo mais complexo dos três, finalmente com uma engine própria, as mecânicas do jogo puderam brilhar, eram elas o Deny, estratégias de Tri-lane, Couriers, diferentes shops e uma série de outros termos técnicos que não vem ao caso…

Sua complexidade ao jogar é tida como uma das maiores vantagens em relação aos concorrentes, de acordo com a comunidade do jogo, pois ao você adicionar uma série de fatores a mais para que o jogador tenha que pensar ao jogar, você filtra jogadores menos experientes ou menos pacientes.

Junte isto ao seu design mais sombrio, voltado a personagens mais sérios e intimidadores, você tem o que os “Doteiros” gostam de chamar: um jogo mais adulto.

League of Legends:

O jogo conta com um tutorial extremamente explanatório, uma série de fatores que simplificam o gameplay, como a remoção do sistema de Deny, lanes bem definidas, sistema de recall (onde o jogador pode voltar para a base para comprar itens e se recuperar a qualquer momento, contanto que não estejam em combate), um único shop para todos os itens e outros termos técnicos que só quem joga entenderá.

Segundo os players profissionais e a própria empresa, o jogo foi feito com a intenção de ter mecânicas mais simples de jogo, para ser mais convidativo ao player novo, o que é chamado de “noob-friendly”, isso muitas vezes fica confuso na mente das pessoas, que acham então que um player mediano no DotA, conseguiria ganhar de um jogador profissional no League of Legends.

Deve-se entender que o jogo apresenta mecânicas distintas, além das que o DotA introduziu, apesar dos jogos serem semelhantes, você não fica bom em um jogo, treinando somente no outro.

Some a facilidade com que você é introduzido no mundo de League of Legends, com os gráficos com cores mais vivas e personagens com designs mais infantis e você entenderá o por que as pessoas chamam LoL de um jogo para crianças.

Resumo da ópera:

Entenda como quiser.

Cenário competitivo…

League of Legends:

Começou pequeno, tendo o final de sua primeira temporada(Season) sendo premiado após um campeonato na Dreamhack (maior evento em LAN do mundo) no valor de 100 mil dólares.

Teve porém um crescimento estrondoso em um ano, oferecendo em 2012 um campeonato em evento próprio (focado somente em League of Legends) o estonteante prêmio de 5 milhões de dólares pelo circuito completo de partidas da temporada, conhecida como Season 2, sendo 1 milhão de dólares totalmente para o time vencedor.

Se tornando o maior prêmio de E-Sport da história, oferecendo também aos seu campeões a oportunidade de imortalizar seus nomes na taça chamada Summoner’s Cup, onde estão representados os cinco Invocadores (como são chamados os players do jogo):

 

Defense of the Ancients:

O jogo mesmo existindo há anos, foi conhecido por ter poucos campeonatos, com valores não muito significantes, ficando conhecido somente por ser um jogo de LAN Houses.

Isto se deve principalmente ao fato de que o jogo não tinha engine própria, não podendo haver um jeito de criar um ranking de partidas, ou alguma espécie de Matchmaking, que garantisse a integridade das partidas dos campeonatos.

DOTA 2:

O jogo teve um excelente começo, com um campeonato chamado de:

DOTA 2 The International Championships

Em seu estado beta, tendo apenas algum dos personagens disponíveis para jogar, já ofereceu a incrível quantia de 2 milhões de dólares logo em seu primeiro campeonato, demonstrando o interesse da Valve em manter a chama dos E-Sports acesa.

Quem está no comando?

DOTA 2:

A querida dos PC Gamers, a Valve é considerada como uma empresa Deusa, por fazer diversos jogos de altíssima qualidade, preços justos, bons servidores e excelente atendimento ao cliente.

A empresa já tem experiência no cenário competitivo, pois é a responsável por Counter-Strike, considerado o primeiro jogo a incendiar os E-Sports, com times profissionais e campeonatos valendo dinheiro e patrocínio.

É conhecida por encorajar mods, mas administrar bem os seus jogos, em questão de preservação da integridade do mesmo.

League of Legends:

A Riot Games é uma empresa iniciante, tendo como sua única estrela League of Legends, mas tem mantido o jogo em crescimento absurdo, tendo se tornado o jogo online mais jogado do mundo, tendo absurdas 1 bilhão de horas jogadas de LoL por MÊS, para efeito de comparação, a franquia Halo, desde o  seu lançamento em 2004 acumulou 2 bilhões de horas de gameplay no total somando todos os jogos.

Tem mostrado ser de extrema eficiência em combater práticas anti-esportivas e é criadora de sistemas pioneiros de auto-administração da comunidade: o sistema de honra e o Tribunal, onde os jogadores podem pegar um “caso” de pessoas reportadas muitas vezes, tendo acesso aos logs de chat e scores do jogo, podendo escolher se irá punir ou absolver o jogador e ao reunir uma certa quantidade de julgamentos iguais, o player será banido ou absolvido, de acordo com as escolhas da comunidade.

E no Brasil…

Defense of the Ancients:

O famigerado DOTA de Lan-House, sempre foi conhecido por sua terrível comunidade, completa anarquia e completa desorganização…

Dispensa comentários, pois não havia uma empresa por trás do Mod para que houvesse algum tipo de moderação em seus jogos.

DOTA 2:

Ainda não há nenhuma previsão de campeonatos dedicados ao Brasil, nem de abertura de escritório da empresa (no caso a Valve) no país, nem mesmo de investimento em times locais.

Por outro lado, ela já oferece um servidor dedicado ao Brasil, com 20 de ping (latência considerada extremamente boa para jogar), consistente com a intenção de investir no país.

League of Legends:

A empresa já está presente no Brasil, recrutando novos funcionários totalmente dedicados ao país, desde Fevereiro deste ano e já está com o servidor na ativa e totalmente funcional desde agosto de 2012.

O jogo veio totalmente localizado para o Português do Brasil, incluindo a dublagens feitas por vozes conhecidas, como a de Wendel Bezerra, o famoso dublador do Goku de Dragon Ball Z e do Bob Esponja.

O servidor apresenta latências entre médias e altas (entre 100 e 250), mas já houve um pronunciamento oficial da Riot, durante a BGS 2012, de que eles já estão em fase final de contratação de um novo servidor hospedado no Brasil (já que o anterior se situava em Miami), visando o famoso “Ping Verde” para todos.

Durante o próprio evento, a Riot apresentou o seu campeonato regional, valendo 80 mil dólares, maior prêmio de E-Sports da história do Brasil.

Planos para o futuro

DOTA 2:

O jogo ainda se encontra na fase de beta, onde eles estão ainda adicionando os heróis do antigo DotA e adaptando-os à nova engine, quando esse processo terminar, o jogo será lançado no mesmo modelo comercial de jogos como Team Fortress 2 ( também da Valve) e League of Legends, o agora popular free-to-play com venda de acessórios cosméticos (que não conferem poder algum ao comprador).

A partir daí podemos esperar uma série de campeonatos e outros investimentos no jogo, torcer para quem sabe o investimento para o Brasil se tornar mais efetivo, pois diversas pesquisas já demonstraram que uma das maiores parcelas dos jogadores de DotA são do Brasil e temos times sérios e que querem ser levados a sério.

League of Legends:

A partir da terceira temporada ( que começa agora em novembro), a Riot Games irá fazer um campeonato onde serão decididas as 8 equipes melhores do mundo, sendo que o Brasil já está apto a se classificar para esta liga, onde estas 8 equipes irão ganhar um salário da própria Riot, para continuar jogando e fazendo stream, podendo participar de seus respectivos times e sem interferir negativamente em nada nas suas carreiras como gamers profissionais.

Um outro campeonato brasileiro com um prêmio ainda maior (valor ainda não divulgado) e a chance de participar dos mundiais onde eles vão buscar quebrar o recorde mais uma vez, de e-sport mais bem pago do mundo.

 

Texto inteiramente redigido por mim A.K.A. EddyPriest, fotos retiradas de diversos sites, somente para efeito de ilustração.
Compartilhe essa quest!

About Eddy Quest

Jogo games desde criança (grande coisa) sou arquiteto de negócios de telecomunicações, aficcionado por tecnologia, quadrinhos e por minha esposa Gih (que também posta aqui), sempre acreditei ter um pouco de jornalista, quando percebi que estava errado, resolvi criar um blog, me acompanhem!

Quest 1: Curtir!

Quest 2: Descobrir!

ipv6 ready